Arte e inovação são destaques da maior feira de flores da América Latina

O mercado floral não é o mesmo. E isso é ótimo. Enxergo um horizonte mais amplo, híbrido e próspero para o setor em diversas direções. Especialmente depois de circular pela 29ª Enflor & Garden Fair, evento realizado recentemente em Holambra. Um público superior a 12 mil pessoas passaram por lá em três dias de exposição.

 

Arte e inovação se encontram no “mundo floral” (Foto: João Barboza)Os cotidianos pós-pandêmicos intensificaram a nossa relação com as plantas e mexeram com a diversidade de produção e criação floral. Mergulhada na banheira da dupla Paulo Perisoto e Tanus Saab (Foto: João Barboza)

 

Em todos esses anos de trabalho como artista e cenógrafa floral percebo uma abertura de possibilidades, antes concentrada no setor de eventos de casamentos. A pandemia escancarou as portas para novos rumos, linguagens e intersecção entre artistas. As pessoas ajudaram – e muito – a diversificar o segmento, consumindo mais plantas em casa. Esse comportamento individual fortaleceu negócios muito além das floriculturas. A feira sinaliza esse momento e as frentes que o movimentam.

O campo está fértil, as condições favoráveis. Aqui, vou mostrar um recorte do que me tocou e as inovações que precisam acompanhar o passo para que a atividade floral não avance em curva ascendente, sem responsabilidade ambiental.

Arte e inovação se encontram no “mundo floral” (Foto: João Barboza)Uma revolução apresentada pela Naturayo na feira: o cacto sem espinho, não machuca e mantém sua silhueta esbelta e elegante. O Mandacaru, nativo do Nordeste brasileiro, deu as graças e está disponível na vitrine do Veiling Holambra. Criação Gabriela Nora (Foto: João Barboza)

 

Viveremos cada vez mais espaços floridos. E não apenas como hábito doméstico de aconchego, necessidade e proximidade. Muitas marcas perceberam nas instalações cenográficas um lugar potencial para se envolver com seu público, gerando efeitos extremamente cativantes e expressivos.

Arte e inovação se encontram no “mundo floral” (Foto: João Barboza)Com efeito interessante, o jeans estrutura vasos e volta a circular no mercado com uso longa vida (Foto: João Barboza)

 

Reúso é questão de sobrevivência, não só consciência. E a Vasart prova que dá, sim, para fazer diferente. A nova linha de vasos lançada na feira é produzida a partir da reutilização de jeans em tamanhos variados, otimizando matérias-primas e rompendo o ciclo do descarte.

Arte e inovação se encontram no “mundo floral” (Foto: João Barboza)A biotecnologia desenvolve formas mais expressivas para plantas nativas, como o Anthurium plowmanii croat (Foto: João Barboza)

 

A ciência presente no segmento floral também tem objetivo de deixar mais exuberante a beleza das plantas nativas. Como o caso da Magna Flora que lançou o Anthurium plowmanii croat. A planta nativa da flora brasileira exibe folhas enormes, coriáceas (aspecto de couro), verde-escuras, com denso padrão de nervuras e folhas onduladas. Ao contrário dos antúrios mais conhecidos, com inflorescências coloridas, este possui flores discretas, deixando a exuberância para as folhagens.

Arte e inovação se encontram no “mundo floral” (Foto: João Barboza)Biodegradável, a espuma floral, antes combatida por poluir o planeta, ganha a tão esperada versão limpa (Foto: João Barboza)

 

A tecnologia do verde. É isso que queremos ver florescer. Aqui vai mais um case de sustentabilidade que merece aplausos: a Floral Atlanta apresentou uma espuma biodegradável para ser utilizada em arranjos florais. Com característica sustentável, a espuma floral se decompõe em 280 dias, pode ser descartada no lixo comum e serve para arear a terra, ajudando o não acúmulo de água no jardim.

Arte e inovação se encontram no “mundo floral” (Foto: João Barboza)A diversidade encantadora das marantas e calatheas no estande da Acosta Plantas. O duo Paulo Perissoto e Tanus Saab mostra como expor essa beleza toda para ter como referência de montagem de espaços florais. Dicas boas para ateliês e floriculturas. (Foto: João Barboza)

 

Arte e inovação se encontram no “mundo floral” (Foto: João Barboza)Em vez de materiais sintéticos, as flores naturais como elemento de criação. Cor e formas criam efeito lúdico. Sobre a base, dá para desdobrar inúmeras versões de florestas (Foto: João Barboza)

 

Psicodélico florido. Aqui, um exemplo de espaço totalmente instagramável para eventos. O carioca Daniel Cruz mostra os simulacros possíveis envolvendo o vivo verde.

Arte e inovação se encontram no “mundo floral” (Foto: João Barboza)Jogo de espelho e girassóis do artista Marcelo Bacchin. O céu não é limite para a produção de imagens e interações corporais. Marcelo enquadra a superfície reflexiva envolta às flores. Ideias para materializar como convite de experiências sensoriais fotografáveis para eventos, experiências de marca ou editoriais de revistas (Foto: João Barboza)

 

Arte e inovação se encontram no “mundo floral” (Foto: João Barboza)Finalizo com a instalação "Solar e Denso", que nos transporta para um sonho onírico. A aridez dos montes de capins iluminada pela temperatura quente, texturas e uma escultura humana coabitam na cena. Trabalho que assino a convite da feira, foi um prazer poder criar e cobrir esta edição (Foto: João Barboza)

 

 

Ideias são o que costumo provocar por aqui. O universo floral é vasto, o Brasil começa a conhecer as/os artistas que trabalham com essa perspectiva botânica criativa, que estimula o corpo com sutilezas reais e palpáveis. Estamos só no começo de uma efervescência artística, possibilidades de campos, paisagens, instalações. Eu te convido a sempre pisar nesse jardim. Até a próxima!

*Gabriela Nora, cenógrafa botânica, diretora de arte e sócia-fundadora da Galeria Botânica.
Colaboração: Lu de Moraes, da A CASAA